Laudo demorado

Há algum tempo tenho recebido LAUDOS DE ULTRASSONOGRAFIA oriundos de minhas pacientes e uma coisa me chamou atenção: A data do exame e a data do laudo.

O que isto quer dizer? Que o Exame é feito num determinado dia e após 2, 3, 4 até 10 dias depois o laudo é confeccionado.

Bem, não precisa explicar muito para entender que como um exame dinâmico pode ter retardado a emissão do tal laudo por tanto tempo. Com o devido respeito a quem faz exames e entrega o laudo até 6 horas depois eu aconselho a organizar seu serviço e passar a emitir o laudo imediatamente pois o tempo e a demora pode significar uma diferença entre a vida e a morte.

Uma patologia identificada na doplerfluxometria que pode provocar graves complicações se não for tratada imediatamente ou mesmo resolvida no exato momento.

Recomendo aos pacientes que a primeira pergunta ao realizar um exame de ultrassonografia seja:

  1. Quem fará o exame é médico?
  2. Quando o LAUDO será entregue?

Caso exista uma demora superior a seis horas, procure outro serviço pois o diagnóstico luta contra o tempo e  a doença ganha com a demora.

http://www.portalmedico.org.br/pareceres/cfm/1998/31_1998.htm

Ozônio e os inocentes

Quando iniciei o curso de medicina, tive que enfrentar alguns obstáculos que serviram de definição sobre o que era ciência e o que é embuste.

Como assim, era a frase que eu mais ouvia quando informava a alguém que o que ele estava propondo não possuía bases científicas, que não passava pelo raciocínio científico, e que era mera situação de “achismo”.

Este neologismo serviu e serve até hoje para classificar e qualificar as inúmeras tentativas de aplicação de métodos que só possuem uma eficiência: na arte de enriquecer quem os aplica, tirando dinheiro dos incautos.

Vou contar o que aconteceu neste mês de janeiro de 2018 quando atendia em um Ambulatório do SUS num interior do Estado e uma paciente chegou com queixas de dores pélvicas e com alguns exames em mão. Uma ultrassonografia que era sugestiva de uma doença inflamatória pélvica e uma colpocitologia oncótica que levava a esta conclusão.

Prescrevi  o esquema previsto pela FEBRASGO para as (DIPs) e ela me olhou meio desconfiada e disse, “será que eu vou ficar boa somente com estes dois remédios?” e eu disse por que? Ela respondeu que havia gastado R$900,00 com 3 aplicações de ozônio e que não teve melhoras e que com estes medicamentos ela iria ficar boa?

Falei assim, faça esta medicação e avise o seu marido para ele vir ao ambulatório, e só tenha relações com preservativo pois ele pode ter uma bactéria que provocou esta infecção.

Resumindo: Ela voltou, sem queija agora no mês de abril, o marido tratou da uretrite e conversei com ela sobre o tal ozônio.

Mostrei para ela alguns artigos que classificam como panaceia e que não existe amparo do Conselho Federal de Medicina e que ela havia sido ludibriada.

Ela me respondeu, e por que esse tal de CFM não faz alguma coisa? Eu disse que ela teria que fazer uma queixa e aí a coisa poderia acontecer?

Bem, que sirva de aviso aos incautos e inocentes pacientes que no seu desespero se submetem a tratamentos fantásticos tal e qual a tal Fosfoetanolamina que de nada adianta no tratamento do Câncer.

Este é o Brasil, pais dos cafajestes.

 

https://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=27338:2017-12-15-18-29-39&catid=3